Valorizando a visão de mundo dos povos indígenas

Um espaço para valorizar a visão de mundo dos povos indígenas

Recentemente, a partir do Programa Intercultural de UADER, em conjunto com a Comunidade I'Tu do Charrúa Nation Pessoas e outras instituições de ensino, os dias de boa vida e não-violência foram promovidos, desenvolvido em Concordia no âmbito de um movimento internacional: a primeira multi-étnico e Marcha Pluricultural da América Latina pela Não-violência. Alunos e professores compartilharam encontros de convivência e aprendizagem baseados na educação para a paz.

Próximo ao Comunidade I`Tu do Povo da Nação Charrúa, o Programa Interculturalidade e Povos Indígenas da Universidade Autônoma de Entre Ríos (UADER) promoveu a Conferência para o Bem Viver e a Não-Violência em Concordia.

A atividade foi planejada no marco da Primeira Marcha Multiétnica e Pluricultural da América Latina pela Não-violência, uma iniciativa internacional que segue os objetivos de denunciar a violência, promover a não discriminação, reivindicar os povos indígenas, conscientizar sobre a crise ecológica e promover a descolonização da América Latina , entre outros.

LEIA / VEJA MAIS EM MOVIMENTO

De 1 a 7 de outubro, no espaço sagrado e comunitário Onkaiujmar Charrúa Cjuimen I'Tum, foi realizada esta proposta de convivência e aprendizagem baseada na educação para a paz, com especial atenção à valorização da cosmovisão dos povos indígenas.

«A pandemia desafiou-nos, prejudicou o nosso modo de vida e as nossas práticas e valores, gerando isolamento, confinamento, desavenças e ruptura dos laços sociais emocionais. É aqui que é necessário nos pensarmos como escola e criarmos cenários possíveis que visem construir alternativas habitáveis ​​para todos os seres que habitam o planeta Terra, ou os Onkaiujmar, os Mapu, os Pacha, como os nossos povos indígenas os chamam ", disse Sergio Paiz, referência da comunidade charrúa e professor de História da Escola Normal de Concordia, uma das instituições de ensino que aderiu ao concurso.

Por sua vez, a coordenadora do Programa UADER, Bernardita Zalisñak, indicou que este tipo de ação está em sintonia "com o que prevê o Plano de Desenvolvimento Institucional Universitário, em virtude do fortalecimento da participação em redes e organizações interinstitucionais que resultam em estratégias para a comunidade. desenvolvimento ".

Nesse sentido, a professora da Sede Concordiana revisou o trabalho que vem sendo realizado em conjunto com a Comunidade I'Tu desde a criação do programa em 2019; e a articulação “com os Professores da Educação Básica e Especial, com os quais conversamos no ano passado”. Ele também destacou diversas ações com cátedras da Faculdade de Letras, Artes e Ciências Sociais, como um projeto de ampliação da cátedra “Direitos dos Povos Indígenas” e uma conferência que reuniu alunos voluntários e membros de comunidades indígenas por conta do COVID emergência -19.

“Entendemos que esta marcha internacional teve um valor especial, pensando na superação das diferentes formas de violência e na construção de uma união para uma sociedade solidária, em busca de uma história comum e de convergências”, disse Zalisñak.

Nesse espírito, a conferência reuniu professores e alunos onde “em um círculo cerimonial foram compartilhados conteúdos educacionais transversais, proporcionando aspectos elementares da cosmovisão uruguaia, promovendo o cuidado com a Mãe Terra, reconhecendo, assumindo e valorizando que nossas raízes se entrelaçam com a história deste continente, que tem mais de quarenta mil anos e tem um contributo cultural e experiencial muito rico ”, acrescentou a coordenadora e concluiu:“ Queríamos despertar nos alunos o sentimento de pertença a esta torrente histórica, há muito silenciada. "


Artigo original no site da Universidade Autônoma de Entre Ríos: http://uader.edu.ar/un-espacio-para-valorar-la-cosmovision-de-los-pueblos-originarios/

Deixe um comentário