Sobre o conflito no Oriente Médio

MsGysV América Latina expressa consternação com a situação de violência que foi desencadeada entre palestinos e israelenses

Mundo sem Guerras e Violência A América Latina, órgão pertencente ao Novo Humanista Universalista, cujos objetivos são contribuir para acabar com todos os tipos de conflitos armados, guerras e, em geral, para alcançar um mundo sem violência ou discriminação de qualquer tipo, expressa sua profundidade consternação com a situação de violência que se desencadeou entre palestinos e israelenses, que já causa mais de duzentas mortes. Também expressa sua solidariedade às vítimas fatais desses eventos, aos feridos e às famílias de todos eles, tanto palestinos quanto israelenses.

Esta organização humanista afirma enfaticamente que nada justifica uma situação de violência como a que se vive na zona e que nada é mais importante do que a vida humana e os seus direitos, independentemente da nacionalidade, raça, sexo, credo religioso ou ideologia política. .

Entre as vítimas mortais encontram-se muitas mulheres e crianças, o que torna muito mais grave a lamentável situação humanitária que se vive na região e que o comove mais profundamente ao fazer esta declaração como uma denúncia destes terríveis acontecimentos que devem terminar com urgência para evitar mais mortes de civis inocentes.

Mundo sem guerras e sem violência A América Latina insta o Conselho de Segurança das Nações Unidas a tomar medidas sobre o assunto e deter os crimes contra a humanidade que estão ocorrendo e punir por meio do Tribunal Penal Internacional esses confrontos em que é afetado principalmente à população civil. É inaceitável que a comunidade internacional se torne cúmplice deste genocídio e falhe novamente em seu papel de preservar a paz e a segurança dos povos do mundo.

Também apela à consciência humana das partes em conflito para parar a escalada de violência que está tendo consequências trágicas para as populações palestina e israelense e que pode se tornar ainda mais grave do que os piores momentos vividos em 2014.

Ele afirma que a única maneira de acabar com esta espiral de violência é Israel acabar com a ocupação ilegal da Palestina. Esta é a origem de todos os conflitos, favorecidos pela atitude beligerante dos países que atuam no comércio de armas, entre outros, os Estados Unidos. A comunidade internacional não deve ser cúmplice desses ataques. Trata-se de defender os direitos humanos básicos de uma população acuada e permanentemente atacada.

Os territórios ocupados por Israel como assentamentos ilegais rejeitados pela ONU devem ser intervidos e controlados para que a hostilidade, o racismo e todas as formas de discriminação de ambos os lados cessem. Também para eliminar o deslocamento forçado, o apartheid racial e todos os tipos de manifestações de supremacia dos israelitas contra a população da Palestina, que muitas vezes são considerados refugiados em sua própria terra.

Da mesma forma, condena as ações do movimento de resistência islâmica palestina Hamas contra Israel, já que nenhum tipo de violência armada se justifica em qualquer caso. As organizações internacionais de direitos humanos devem fazer cumprir a Quarta Convenção de Genebra e a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Além disso, ambos os povos devem declarar uma trégua mútua, sentar-se para negociar uma solução não violenta para esta crise e trabalhar para chegar a um acordo definitivo que ponha fim a esta luta sangrenta entre duas nações irmãs.

Mundo sem Guerras e Violência A América Latina exorta todas as organizações da sociedade civil em todo o mundo que trabalham pelos direitos humanos, pacifistas e movimentos anti-guerra a fazerem causa comum e denunciarem vigorosamente esses eventos lamentáveis ​​que minam o direito humano à vida, segurança pessoal e viver em um ambiente livre de violência, conforme declarado na Carta das Nações Unidas que todos prometeram respeitar.

Finalmente, apela a todas as pessoas conscienciosas deste mundo, governantes, parlamentares, educadores, líderes religiosos de todas as religiões, políticos de todas as ideologias, estudantes de todos os níveis, a se comprometerem a favor desta causa, para acabar definitivamente com o flagelo das guerras, que ainda neste novo milênio continuam a ser a maior vergonha da história da humanidade, que tanto sofreu à humanidade.

Signatários: Mundo sem guerras Chile, Mundo sem guerras Argentina, Mundo sem guerras Peru, Mundo sem guerras Equador, Mundo sem guerras Colômbia, Mundo sem guerras Panamá, Mundo sem guerras Costa Rica, Mundo sem guerras Honduras

Agradecemos à Pressenza International Press Agency pelo artigo publicado: Sobre o conflito no Oriente Médio.

1 comentário em "Sobre o conflito no Oriente Médio"

Deixe um comentário