A maioria dos países a favor do TPAN

Apenas faltam os países 17 que ratificaram para entrar em vigor no Tratado de Proibição de Armas Nucleares. As grandes potências e seus países satélites querem torná-lo invisível. Será uma grande festa para a humanidade.

Até hoje, o 22 / 11 / 2019, o apoio ao Tratado de Proibição de Armas Nucleares continua a crescer; dos países iniciais do 120 já são 151 os países que o apóiam, dos quais o 80 já o assinou e o 33 o ratificou. Só falta o 17 para entrar em vigor.

Posições nacionais sobre o Tratado de Proibição de Armas Nucleares

Estas são as posições nacionais do Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares até o momento:

151 Países que apoiam a proibição: Afeganistão, Argélia, Angola, Antígua e Barbuda, Argentina, Áustria, Azerbaijão, Bahamas, Bahrein, Bangladesh, Barbados, Bielo-Rússia, Belize, Benin, Butão, Bolívia, Bósnia e Herzegovina, Botsuana, Brasil, Brunei , Burkina Faso, Burundi, Camboja, Camarões, Cabo Verde, República Centro-Africana, Chade, Chile, China, Colômbia, Comores, Congo, Ilhas Cook, Costa Rica, Cote d'Ivoire, Cuba, República Popular Democrática da Coreia, República Democrática do Congo, Dinamarca, Djibouti, Dominica, República Dominicana, Equador, Egito, El Salvador, Guiné Equatorial, Eritreia, Etiópia, Fiji, Gabão, Gâmbia, Gana, Granada, Guatemala, Guiné, Guiné-Bissau, Guiana, Haiti, Santo Ver, Honduras, Islândia, Índia, Indonésia, Irã, Iraque, Irlanda, Jamaica, Jordânia, Cazaquistão, Quênia, Kiribati, Kuwait, Quirguistão, Laos, Líbano, Lesoto, Libéria, Líbia, Liechtenstein, Madagascar, Malawi, Malásia, Maldivas, Mali, Malta, Ilhas Marshall, Mauritânia, Maurício, México, Mongólia, M orocco, Moçambique, Mianmar, Namíbia, Nepal, Nova Zelândia, Nicarágua, Níger, Nigéria, Noruega, Omã, Paquistão, Panamá, Papua Nova Guiné, Paraguai, Peru, Filipinas, Qatar, Ruanda, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, Santa Vicente e Granadinas, Samoa, San Marino, São Tomé e Príncipe, Arábia Saudita, Senegal, Sérvia, Seychelles, Serra Leoa, Cingapura, Ilhas Salomão, Somália, África do Sul, Sudão do Sul, Sri Lanka, Sudão, Suriname, Suazilândia, Suíça, Síria, Tajiquistão, Tanzânia, Tailândia, Timor-Leste, Togo, Tonga, Trinidad e Tobago, Tunísia, Turcomenistão, Tuvalu, Uganda, Ucrânia, Emirados Árabes Unidos, Uruguai, Vanuatu, Venezuela, Vietnã, Iêmen, Zâmbia, Zimbábue.

22 Países que não comprometem

22 Países que não se comprometem: Albânia, Andorra, Armênia, Austrália, Canadá, Croácia, Chipre, Finlândia, Alemanha, Geórgia, Grécia, Japão, Macedônia, Micronésia, Moldávia, Montenegro, Nauru, República da Coréia, Romênia, Eslovênia, Suécia Usbequistão

22 Países que se opõem à proibição

22 Países que se opõem à proibição: Bélgica, Bulgária, República Tcheca, Estônia, França, Hungria, Israel, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Mônaco, Holanda, Palau, Polônia, Portugal, Rússia, Eslováquia, Espanha, Turquia , Reino Unido, Estados Unidos

A situação dos países que assinam ou ratificam o TPAN é:

Dos países da 159 que apóiam, a 80 já assinou o tratado e a 33 o ratificou. Nos faltam apenas os países 17 que o ratificam para que o TPAN entre em vigor internacionalmente. Veja detalhes em http://www.icanw.org/why-a-ban/positions/

É uma oportunidade que devemos aproveitar

Pensamos que é uma oportunidade que devemos aproveitar para aumentar a conscientização sobre o grande passo para a humanidade proibir a arma nuclear como a arma mais terrível e devastadora já criada pelo homem.

Uma grande festa está chegando, quase certamente no próximo ano, para comemorar a entrada em vigor.

Será o primeiro passo para alcançar a proibição total em todo o planeta.

As novas gerações tomaram consciência do problema das mudanças climáticas e dos desastres que estão ocorrendo em nível ecológico.

Certamente, eles não passarão despercebidos que uma guerra nuclear não significaria apenas a maior agressão ao meio ambiente, mas que talvez fosse o fim da civilização humana como a conhecemos.

É necessário perceber essa realidade, mesmo que ela não seja confortável e nos force a nos posicionar ativamente.

Na Marcha Mundial pela Paz e pela Não-Violência, a questão da proibição de armas nucleares é uma das primeiras prioridades. Nós encorajamos que juntos todos nós comemoremos seja um grande primeiro passo de sua entrada em vigor.

Mais informações em: https://theworldmarch.org


Redação: Rafaél de la Rubia

Agradecemos o apoio com a divulgação da web e redes sociais da Marcha Mundial 2

Rede: https://theworldmarch.org
Facebook: https://www.facebook.com/WorldMarch
Twitter: https://twitter.com/worldmarch
Instagram: https://www.instagram.com/world.march/
Youtube: https://www.youtube.com/user/TheWorldMarch
0/5 (Comentários 0)

Deixe um comentário