Mario Rodriguez Cobos - Silo, fundador do 6 Humanist Movement Janeiro 1938 - 16 Setembro 2010

Hoje à noite na quinta-feira 16 morreu em Mendoza, Mario Luis Rodríguez Cobos, (SILO), um argentino universal. Transcrevemos uma referência à sua vida e obra feita por Luis Ammann por ocasião da apresentação do livro de Silo "Apuntes de Psicología" na Feira do Livro de Tandil, Buenos Aires, no 16 de agosto de 2007

- Argentina Mendoza | Setembro 17 2010 17: 28

Em Apuntes de Psicología, o mais recente livro publicado por Silo (Ulrica Ediciones, Rosário, Argentina, 2006), o editor apresenta a "biografia" do autor em trinta e três palavras.

Essa síntese foi enviada pelo mesmo Silo em uma atitude que tem sido reiterada: nunca tivemos um comentário biográfico feito pelo autor que excedeu metade de um rosto. Portanto, o que vamos expor a seguir é uma espécie de referência biográfica não autorizada que é feita sob a nossa responsabilidade e com o desejo de dar alguma informação mais perto da pessoa e do trabalho deste homem que falou e escreveu sobre todos os tópicos, exceto sobre si mesmo.

Em 1999, em um livreto intitulado The Thought of Silo, escrevemos: O ambiente de singularidade que cerca Silo não vem de suas idéias que, aceitáveis ​​ou não, são claras e têm um discurso bem estruturado. Em vez disso, deve-se procurar as razões para o mistério e a ambigüidade que o cercam em três fatores, dois que são estranhos a ele e um que diz respeito a ele. Os outros fatores: 1. o estado mental da liderança argentina, militar e civil, e 2. a atitude da mídia local. 3. O que é atribuível ao Silo é sua irritante independência dos fatores de poder e do exercício de sua liberdade.

O primeiro a proibir e difamar Silo foi o ditador Juan Carlos Onganía. Seus perseguidores mais persistentes foram José López Rega, responsável pelo "triplo A", uma gangue policial e Ramón J. Camps, condenado por genocídio. Esses personagens perceberam que a pregação de Silo para a "não-violência" colocava em risco seus interesses e o sistema violento que eles defendiam. Assim, perseguiram suas idéias, ameaçaram e cometeram ataques e homicídios contra os membros do Movimento gerados espontaneamente por essas idéias.

Por outro lado, Silo é um homem de hábitos simples e austeras fora o espetáculo de poder e publicidade. Ele não é um homem de "relações com a mídia". Finalmente, você pensou, falado e escrito sobre todos os temas de interesse para o ser humano, tocar ou penetrar fortemente no campo da psicologia, religião e política, sempre promovendo a metodologia da "não-violência" ativo para a mudança social e pessoal. Em suma, prejudicou os interesses, colocou o ridículo em seu lugar e ignorou os distribuidores da fama. Mas o que é irritante para o Sistema é que Silo, embora ele não o proponha, é um líder, um guia espiritual. Uma pessoa cujo comportamento é inspirador; cujas idéias preenchem um vazio e, acima de tudo, dão uma orientação futura diferente.

"Pense, vá e vá", tem sido a posição pragmática. Mas que um pensamento original, que engloba a existência e a experiência humanas, desperta a adesão de pessoas muito diversas e dá origem a uma organização ativa e crescente de voluntários, isso tem sido "intolerável" para os bem-intencionados.

Assédio sempre correu da mesma maneira: eles tentaram prejudicar suas contribuições, seus escritos e ditos plagiar escondido, suas ideias-chave usando-os como slogans publicitários é distorcida. Nada disso impediu sua visão do mundo de romper e suas palavras alcançam os corações das pessoas simples.

A intenção de degradar é aquela que está subjacente aos diferentes insultos que foram feitos a partir do poder do dia. Não é, a propósito, o olhar sem preconceitos dos acadêmicos russos que o distinguiram com o doutorado honorário da 1993. Foi assim que escrevemos no 1999.

A difusão de sua ideologia não violenta o levou, no 1981, a dar palestras em diferentes cidades da Europa, uma turnê que incluiu um evento na Índia. Foram eventos difíceis de enquadrar, porque Silo deu sua mensagem a milhares de pessoas reunidas em salões e estádios cobertos e em grandes espaços abertos, como a praia de Choupaty, em Bombaim. Conheceu-se assim, o que eles mesmos denominaram a "corrente não violenta da raiz latinoamericana". Posteriormente, suas palestras aconteceram em universidades, centros culturais e via pública em quase todo o mundo, alcançando uma crescente adesão que já envolve milhões de pessoas em países da 140.

Recentemente, a posição da mídia de massa parece ter mudado e o reconhecimento de instituições, personalidades e mídia na Europa, na Ásia e - mais timidamente - em nosso país está chegando. A mídia diminuiu as barreiras do preconceito e está disposta a permitir a liberdade de expressão desse pensador. Em 2006, sua pregação pela Paz Mundial, voltada ao desarmamento nuclear, conquistou as praças, as ruas e, pela primeira vez, as telas de televisores, cinemas e estádios. Hoje, há milhões de pessoas que ouvem Silo e muitas outras parecem estar preparadas para ouvir um bom homem cuja palavra gentilmente inspira o espírito.

Suas últimas exposições públicas na montanha se transformaram em peregrinações em massa. Em 1999, para comemorar o aniversário 30º de sua primeira arenga pública, cerca de quatro mil pessoas se reuniram para ouvi-lo em "Punta de Vacas" o lugar desolado onde falou pela primeira vez cerca de duas centenas de pessoas. Em 2004 eles estavam em torno de sete mil e em 2007 o número cresceu para mais de 10 mil. O parque construído ali recebe visitas permanentes e foi chamado pela imprensa "Sentinela da fé".

De 2002, ano em que Silo apresenta A Mensagem (um resgate da individualidade em tudo de acordo com sua solidariedade social) tem surgido em todo o mundo Urban Rooms and Parks. Esses espaços de meditação e inspiração espiritual estão sendo desenvolvidos nos cinco continentes. Alguns deles são o Parque Punta de Vacas, o Manantiales, o La Reja, o Kohanoff e o Caucaia na América do Sul; Red Bluff na América do Norte; Attigliano e Toledo na Europa e, já iniciaram os projetos, os Parques da Ásia e da África.

As referências pessoais que Silo dá são concisas: seu nome é Mario Luis Rodríguez Cobos, o 6 nasceu em Mendoza em janeiro de 1938. Ele é casado com Ana Cremaschi, é pai de Alejandro e Federico e reside em uma pequena cidade (Chacras de Coria) nos arredores de Mendoza. Ele é escritor e, por alguns anos, abandonou parcialmente suas atividades agrícolas.

Suas principais obras publicadas são: Humanizar a Terra, Contribuições ao Pensamento, O Dia do Leão Alado, Experiências Guiadas, Universal raiz Mitos, Cartas a Meus Amigos, Dicionário do Novo Humanismo, Silo Fala e Apontamentos de Psicologia. Eles também editaram dois volumes de seus trabalhos completos. Estes livros foram traduzidos e publicados em idiomas principais, línguas e dialetos e é atual lendo jovens manifestantes, a Nova Esquerda, humanistas, ambientalistas e pacifistas. Desde o ano 2002, como dissemos, Silo dirige a Mensagem, uma dimensão espiritual.

Se tivéssemos que delinear um perfil, diríamos que Silo é o ideólogo de uma corrente de pensamento: o novo humanismo ou o humanismo universalista (ou o humanismo siloísta, embora ele rejeite essa denominação); um movimento político-social não violento: o movimento humanista e uma expressão espiritual: a mensagem.

A doutrina do Silo abrange, em suma, as questões fundamentais que interessam ao ser humano.

0/5 (Comentários 0)

Deixe um comentário