Marcha latino-americana


O 1ª Marcha Multiétnica e Pluricultural da América Latina pela Não-violência

O que?

“Não violência na marcha pela América Latina”
Os povos latino-americanos e caribenhos, povos indígenas, afrodescendentes e habitantes deste vasto território, nos conectamos, mobilizamos e marchamos, para superar as diferentes formas de violência e construir a união latino-americana por uma sociedade solidária e não violenta.

Quem pode participar?

Ativistas, grupos, organizações sociais, instituições públicas e privadas, escolas, universidades, comprometidos com esta ação não violenta latino-americana.

Como?

Realização de ações antes e durante a Marcha com eventos virtuais e presenciais em cada país, como caminhadas, eventos esportivos, marchas regionais ou locais; desenvolver conferências, mesas redondas, oficinas de divulgação, festivais culturais, palestras ou ações criativas em prol da Não-violência, etc. Faremos também uma consulta e pesquisa sobre o futuro da América Latina que queremos construir.

Para que?

Denúncia Social

1- Denunciar e transformar todos os tipos de violência existentes em nossas sociedades: física, de gênero, verbal, psicológica, econômica, racial e religiosa.

Não Discriminação

2- Promover a não discriminação e a igualdade de oportunidades e a eliminação de vistos entre os países da região.

Povos nativos

3-Defender os Povos Indígenas de toda a América Latina, reconhecendo seus direitos e sua contribuição ancestral.

Conscientizar

4- Sensibilizar para a crise ecológica na defesa dos recursos naturais. Não à megamineração e não há mais pesticidas nas plantações. Acesso irrestrito à água para todos os seres humanos.

Desista da guerra

5- Que os estados renunciem constitucionalmente ao uso da guerra como forma de solução de conflitos. Redução progressiva e proporcional de armas convencionais.

Não às bases militares

6- Diga não à instalação de bases militares estrangeiras e exija a retirada das existentes.

Promova a assinatura TPAN

7- Promover a assinatura e ratificação do Tratado de Proibição de Armas Nucleares (TPAN) em toda a região.

Tornar a Não-Violência Visível

8- Tornar visíveis as ações não violentas em favor da vida na região.

Quando e onde?

Entre 15 de setembro de 2021, Bicentenário da Independência dos países da América Central e 2 de outubro, Dia Internacional da Não-violência.

Aspiramos viajar pela região para fortalecer nossa união latino-americana e reconstruir nossa história comum, na busca de convergências, diversidade e não violência.
"CONECTANDO-SE COM O MELHOR DE CADA UM DE NÓS, CRIANDO A CONSCIÊNCIA DE QUE É, SÓ PELA PAZ E NOVIOLÊNCIA, COMO AS ESPÉCIES SE ABRIRÃO AO FUTURO"
SILO