A PAZ É FEZ ENTRE TODOS

Como se pode falar de paz enquanto armas cada vez mais mortais são construídas ou justificada a discriminação?

"Como podemos falar de paz enquanto construímos novas armas de guerra formidáveis?

Como podemos falar de paz enquanto justificamos certas ações espúrias com discursos de discriminação e ódio? ...

A paz é apenas um som de palavras, se não for baseada na verdade, se não for construída de acordo com a justiça, se não for vivificada e completada pela caridade e se não for realizada em liberdade ”

(Papa Francisco, discurso em Hiroshima, novembro de 2019).

No início do ano, as palavras de Francisco nos levam a refletir sobre o povo cristão sobre nosso compromisso diário de construir a paz no mundo em que vivemos e em nossa realidade mais próxima: a Galiza.

É verdade que vivemos em um lugar privilegiado na frente de milhões de pessoas no mundo. No entanto, essa paz aparente é frágil e pode quebrar a qualquer momento.

Metade dos galegos sobrevive com benefícios públicos: pensões e subsídios (Voz da Galiza, 26/11/2019).

Eventos recentes no Chile, um dos países mais prósperos da América do Sul, alertam para a fragilidade das sociedades chamadas bem-estar.

A violência de gênero que este ano foi especialmente difícil em nossa terra, a xenofobia, a homofobia e os novos discursos de ódio de algum grupo político, mesmo sob a proteção da religião cristã, são sinais de que a paz está longe de ser estável.

O QUE PODEMOS CONTRIBUIR?

Para alcançar um clima de paz, é essencial que todos os membros de um coletivo, de um povo, participem do projeto de construção da paz ao seu redor. Não é fácil superar conflitos, harmonizar interesses conflitantes, reformar organismos sem imparcialidade.

Fundamental é uma educação para a paz das famílias e, especialmente, da escola, onde os casos de bullying e maus-tratos crescem a cada ano.

Educar crianças e meninos na resolução de conflitos sem ódio e sem violência é um assunto pendente na educação.

CONSUMO RESPONSÁVEL

Uma das causas da instabilidade em muitos países é o hiperconsumo em que é

submerso grande parte do mundo. Não se trata apenas do dano ecológico da superprodução, mas do empobrecimento e escravidão de milhões de pessoas.

Por trás das guerras na África existem grandes interesses comerciais e, claro, a venda e o tráfico de armas. A Espanha não é estranha a esta situação. Nem a ONU, uma vez que 80% das vendas de armas são provenientes dos países membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Os gastos mundiais em armamentos (2018) foram os mais altos nos últimos 30 anos (1,63 trilhão de euros).

O Papa Francisco veio exigir da ONU que o direito de veto no Conselho de Segurança das 5 potências desapareça.

Portanto, devemos apostar em um consumo responsável e sóbrio, eliminando o desnecessário, favorecendo o comércio ecológico e a energia sustentável. Somente assim impediremos a devastação do planeta e a violência gerada pela produção silvestre em tantos países.

O recente Sínodo da Amazônia, realizado em outubro passado em Roma, apelou a novas políticas que defendam os territórios ameaçados e seus habitantes.

Pela nossa fé no Jesus libertador, não podemos parar de lutar neste esforço para salvar a criação.

2º MARÇO POLA PEZ E NÃO VIOLÊNCIA

Em 2 de outubro de 2019, iniciou-se em Madri a 2ª Marcha Mundial pela Paz e pela Não-Violência, que busca uma convergência global dos esforços das diferentes comunidades e movimentos em prol dos seguintes objetivos:

  • Apoiar o Tratado de Proibição de Armas Nucleares e, assim, eliminar a possibilidade de uma catástrofe global, alocando seus recursos às necessidades da humanidade.
  • Erradicar a fome do planeta.
  • Reformar a ONU para se tornar um verdadeiro Conselho Mundial para a Paz.
  • Complete a Declaração dos Direitos Humanos com uma Carta para a Democracia Global.
  • Ative um plano de medidas contra a supremacia e qualquer discriminação baseada em raça, nacionalidade, sexo ou religião.
  • Combate às mudanças climáticas.
  • Promover a NOVIOLÊNCIA ATIVA para que o diálogo e a solidariedade sejam as forças transformadoras contra os impostos e a guerra.

Atualmente, 80 países assinaram a favor do fim das armas nucleares, 33 ratificaram e 17 ainda precisam ser assinados. A marcha termina em Madri, em 8 de março de 2020, no Dia Internacional da Mulher.

Agora, cada um tem em suas mãos para se juntar a esse espírito de santidade que se estende por todo o mundo.

Não basta amar a Deus e não idolatrar, não basta mais não matar, não roubar ou não prestar falso testemunho.

Nos últimos meses, vimos como a violência eclodiu em muitos lugares do mundo: Nicarágua, Bolívia, Venezuela, Chile, Colômbia, Espanha, França, Hong Kong ... Articular caminhos de diálogo e pacificação é uma tarefa urgente que exige de todos nós.

"Em Nagasaki e Hiroshima eu estava rezando, conheci alguns sobreviventes e parentes das vítimas e reiterei a firme condenação de armas nucleares e a hipocrisia de falar sobre paz, construir e vender armas (...) Existem países cristãos, países europeus que falam de paz e depois vivem de armas ”(Papa Francisco)


DOCUMENTO DE PAZ 2019/20
Assinado: Coordenador de Crentes Galeg @ s
0/5 (Comentários 0)

Deixe um comentário