Rumo a um futuro sem armas nucleares

A proibição das armas nucleares abre um novo futuro para a humanidade

-50 países (11% da população mundial) declararam armas nucleares ilegais.

As armas nucleares serão banidas assim como as armas químicas e biológicas.

-As Nações Unidas ativarão o Tratado para a Proibição de Armas Nucleares em janeiro de 2021.

No dia 24 de outubro, graças à incorporação de Honduras, foi alcançado o número de 50 países que ratificaram o Tratado para a Proibição de Armas Nucleares (TPAN) promovido pelas Nações Unidas. Em mais três meses, o TPAN entrará em vigor internacionalmente em evento na sede das Nações Unidas em Nova York.

Depois desse evento, a TPAN continuará o caminho para o banimento total das armas nucleares. Esses 50 países continuarão a se juntar aos 34 que já assinaram o TPAN e estão pendentes de ratificação e 38 outros que trabalharam e apoiaram sua criação na ONU. Podem surgir tensões no resto dos países devido à pressão das potências nucleares para silenciar a vontade do público, mas, em todos os casos, serão os cidadãos que terão de levantar a nossa voz e pressionar os nossos governos a agirem. Junte-se ao clamor geral contra as armas nucleares. Devemos fazer com que esse clamor continue a crescer até que as potências nucleares se tornem cada vez mais isoladas, enquanto seus próprios cidadãos exigem entrar na dinâmica de preservar a paz e não promover o desastre.

Um grande passo que abre possibilidades inimagináveis ​​até recentemente

A entrada em vigor do TPAN é um grande passo que abre possibilidades até recentemente inimagináveis. Consideramos que é o primeiro tijolo retirado da parede que deve ser demolido, e ter conseguido é um sinal de que o progresso pode continuar. Estamos perante talvez a notícia mais importante das últimas décadas a nível internacional. Embora não haja uma única notícia na mídia oficial (propaganda), prevemos que essa dinâmica se amplie, e mais rapidamente quando essas ações ocultas e / ou deformadas das potências dominantes se tornarem visíveis.

A principal protagonista dessa conquista foi a Campanha Internacional para Abolição de Armas Nucleares (ICAN), ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 2017, que indicou em seu twitter a importância do evento, que entrará em vigor a partir de 22 de janeiro de 2021.

Na recente Marcha Mundial constatamos que mesmo em países cujos governos apóiam a TPAN, a maioria dos cidadãos desconhece esse fato. Dada a situação internacional de conflitos e incertezas sobre o futuro, em meio à pandemia que nos atinge, há uma saturação de sinais negativos e “más notícias”. Portanto, para apoiá-lo de forma mais efetiva, propomos não influenciar o medo de um desastre nuclear como um mobilizador, mas, pelo contrário, enfatizar os motivos da celebração da proibição.

Cyber-Party

A Associação Mundial sem Guerras e Violência (MSGySV), membro da ICAN, está trabalhando para realizar uma grande celebração em 23 de janeiro para comemorar este marco histórico. Terá o formato virtual de uma ciber-festa. É uma proposta aberta e todos os grupos interessados, atores culturais e cidadãos são convidados a aderir. Haverá um tour virtual por toda a história da luta contra as armas nucleares: mobilizações, concertos, marchas, fóruns, manifestações, declarações, atividades educativas, simpósios científicos, etc. A isso se somarão todo tipo de atividades musicais, culturais, artísticas e de participação cidadã para um Dia de Celebração Planetária.

Desenvolveremos essa ação em nossas próximas comunicações e publicações.

Hoje nos juntamos às declarações de Carlos Umaña, diretor internacional da ICAN, que afirmou com entusiasmo: “Hoje é um dia histórico, que marca um marco no direito internacional a favor do desarmamento nuclear ... Em 3 meses, quando a TPAN oficial, a proibição será de direito internacional. Assim começa uma nova era… Hoje é dia de esperança ”.

Aproveitamos também para agradecer e parabenizar os países que ratificaram o TPAN e todas as organizações, grupos e ativistas que trabalharam e continuam a fazê-lo para que a Humanidade e o planeta comecem a trilhar o caminho que leva à eliminação das armas nucleares. É algo que estamos conquistando juntos. Queremos fazer uma menção especial ao Peace Boat que, do Japão, no dia da celebração, lembrou e reconheceu o trabalho que a MSGySV realizou para a campanha do ICAN no TPAN ao longo de toda a jornada da 2ª Guerra Mundial.

Continuamos trabalhando com todos pela paz e não violência. Entre as novas ações previstas, a MSGySV realizará um webinar dirigido a estudantes e docentes de várias universidades no âmbito de uma série delas que a Secretaria Permanente da Cúpula do Prêmio Nobel da Paz agendou nos próximos meses. O tema será: “Ações na base social e sua escalada internacional”

Com o impulso dessas e de muitas outras ações que virão, reforçamos o anúncio que fizemos em 2 de outubro de realizar a 3ª Marcha Mundial pela Paz e Não-Violência em 2024.

Lista de países que ratificaram o TPAN

Antígua e Barbuda, Áustria, Bangladesh, Belize, Bolívia, Botswana, Ilhas Cook, Costa Rica, Cuba, Dominica, Equador, El Salvador, Fiji, Gâmbia, Guiana, Honduras, Irlanda, Irlanda, Jamaica, Cazaquistão, Kiribati, Laos, Lesoto, Malásia , Maldivas, Malta, México, Namíbia, Nauru, Nova Zelândia, Nicarágua, Nigéria, Niue, Palau, Palestina, Panamá, Paraguai, São Cristóvão e Névis, Santa Lúcia, São Vicente e Granadinas, Samoa, São Marino, África do Sul, Tailândia , Trinidad e Tobago, Tuvalu, Uruguai, Vanuatu, Vaticano, Venezuela, Vietnã.


O artigo original pode ser encontrado no site da Pressenza International Press Agency: A proibição das armas nucleares abre um novo futuro para a humanidade.

Deixe um comentário