Aniversário do bombardeio 74 Hiroshima

Em 6 e 8 em agosto, a 1945 lançou duas bombas nucleares no Japão.
Nos dias 6 e 8 de agosto de 1945, duas bombas nucleares caíram no Japão, uma na população de Hiroshima e outra na de Nagasaki. Cerca de 166.000 pessoas morreram em Hiroshima e 80000 em Nagasaki, queimadas pela explosão. Incontáveis ​​foram as mortes e os efeitos colaterais das bombas nos anos seguintes. Incontáveis ​​aqueles que ainda estão demonstrando. Em comemoração a esses eventos e para que eles não sejam repetidos, no 6 de agosto de cada ano, eventos memoriais são realizados em muitas cidades ao redor do mundo.

Hoje, novamente, a necessidade da proibição de armas nucleares de todos os tipos está presente

Algumas pessoas poderosas dão as costas às necessidades dos povos. Parece que eles pretendem empurrar de volta seu povo e o mundo para os piores momentos da guerra fria. Os Estados Unidos abandonaram as políticas de controle e não proliferação de armas nucleares assinadas na época de Ronald Reagan. Em 8 de dezembro de 1987, Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev assinaram o Tratado de Eliminação de Mísseis de Alcance Intermediário (INF). Graças a este tratado, as bombas atômicas de gama média 3000 foram eliminadas e ajudou a controlar as crescentes tensões na Europa.

Trump unilateralmente encerrou o INF

Ontem, Donald Trump rescindiu unilateralmente esse tratado por uma suposta violação da Rússia. A desculpa: a Rússia está desenvolvendo um míssil, o Novator 9M729, que os EUA afirmam violar o tratado. Por seu lado, Moscou explicou que em fevereiro deste ano já havia denunciado os Estados Unidos por sua busca por desculpas para sair deste tratado. Segundo Moscou, Trump quer desenvolver mísseis específicos, que por exemplo podem chegar ao Irã. Os aliados dos EUA, membros da OTAN, se juntam à nova corrida armamentista. Eles acusam a Rússia de culpada da situação e apóiam o desenvolvimento ilimitado de armas proposto por Trump.

No entanto, vários líderes europeus lamentaram o fim do tratado.

Não está em jogo se um país é ou não preponderante sobre os outros

O que acontecerá em 2021, quando o Novo Tratado START expirar, o último grande tratado de controle de armas nucleares assinado pelas duas grandes potências, em vigor desde 1972? Não está em jogo se um país é predominante sobre outros, em uma área ou não. A vida humana em todo o planeta está em risco. Assim como foi proibido o uso de armas químicas e biológicas, cujo poder destrutivo é incontrolável. Eles poderiam destruir a vida em todo o planeta. As armas nucleares devem ser proibidas, em todas as suas versões, pela mesma causa. O que aconteceu em 6 e 8 de agosto de 1945 prova os efeitos incontroláveis ​​das armas nucleares. O que aconteceu em 1945 seria multiplicado centenas ou milhares de vezes por algumas das bombas atômicas de hoje. À medida que a loucura por armas se apodera dos poderosos, o clamor dos povos levanta sua voz na justa demanda de um mundo sem guerras e sem violência.

Eu comemoro o aniversário de 74 do bombardeio de Hiroshima

Para Matsui, prefeito de Hiroshima, em seu discurso no 74º aniversário do atentado: "os líderes mundiais devem avançar com eles, promovendo o ideal da sociedade civil".

Ele apelou para se juntar ao Tratado para a Proibição de Armas Nucleares. Nem as potências nucleares mundiais nem o Japão fazem parte deste tratado.

Hoje estamos no meio do caminho que este tratado entra em vigor

Hoje estamos a meio caminho deste tratado que entra em vigor. São necessárias 50 ratificações para que o tratado se torne um direito internacional vinculativo. Em 6 de agosto, dia do aniversário dos atentados de Hiroshima e Nagasaki, a Bolívia se tornou o 25º estado a ratificar o tratado. Com crescente urgência, pede a proibição de todas as armas nucleares. Todos eles são de longo, médio alcance, curto alcance e "baixa intensidade". A sociedade civil está pedindo paz e desarmamento e contra guerras.

O desejo de paz de toda a sociedade está se manifestando

Em milhares de cidades ao redor do mundo, os cidadãos realizam ações diferentes nas quais o desejo de paz de toda a sociedade se manifesta. Os povos querem viver em paz e que os recursos sejam investidos em benefício deles, não em sua possível destruição. De nossa parte, a partir do espírito humanista que nos encoraja, promovemos a Segunda Marcha Mundial pela Paz e pela Não-Violência. Nele e através dele, propomos todos os tipos de atividades para conscientizar sobre os seguintes pontos:
  • O desarmamento nuclear global
  • Retirada imediata de tropas invasoras dos territórios ocupados.
  • Redução progressiva e proporcional do armamento convencional.
  • Assinatura de tratados de não agressão entre países.
  • Renúncia de governos para usar as guerras como meio de resolver conflitos.
Esses são os pontos que já no primeiro março, tomamos como referência.
5/5 (Comentários 2)

2
Diga-nos a sua opinião

avatar
2 Comentar tópicos
0 Respostas do Tópico
0 Seguidores
Comentário mais reagido
O segmento de comentários mais quente
0 Autores de comentários
Comentários recentes autores
Subscrever
o mais novo o mais antigo os mais votados
Notificar
trackback
Equipe Internacional de Base no Japão - Marcha Mundial

[…] É a força dos habitantes de Hiroshima, não esquecendo os de Nagasaki, junto com os de muitos outros lugares onde a energia nuclear […]

trackback
L'Equipe Base Internazionale em Giappone - Marcha Mundial

[…] Impressionante, para a população da popolação de Hiroshima, por não parlamentar de Nagasaki e degli altri molti posti, no núcleo de las lasto […]

Compartilhe!