8 de março: A marcha termina em Madri.

8 DE MARÇO: O 2º MARÇO MUNDIAL DE PAZ E NOVIOLÊNCIA CONCLUI SUA ROTA EM MADRID

Após 159 dias percorrendo o planeta com atividades em 51 países e 122 cidades, saltando sobre dificuldades e múltiplos incidentes, a Equipe Base da 2ª World March Ela concluiu sua turnê em Madri no dia 8 de março, data escolhida como homenagem e demonstração de apoio à luta das mulheres. Essa chegada foi comemorada através de diferentes eventos entre 7 e 8 de março.

Sábado, 7 de março: de Vallecas a Retiro

Manhã no Centro Cultural del Pozo no bairro de Vallecas, um concerto de geminação entre ele Escola Núñez de Arenas, a orquestra Pequeñas Huellas (Turim) e o Ateneu Cultural Manises (Valência); cem meninos e meninas apresentaram várias peças musicais e algumas canções de rap.

Diante de uma devotada audiência de familiares e amigos, e com imagens de fundo de símbolos humanos de Paz e Não-violência, Rafael de la Rubia tomou a palavra, lembrando que o primeiro símbolo humano havia sido feito justamente na escola Núñez de Arenas e que o a geminação surgiu dos preparativos para a Marcha Mundial; Ele comentou que no decorrer dele também encontrou em vários lugares meninos usando o rap como forma de expressão musical para se conectar com os jovens. Em seguida, incentivou os adultos a darem atenção aos jovens que estão mostrando o caminho com novos valores, como o cuidado com o meio ambiente e a solidariedade uns com os outros.

À tarde, a cerimônia de encerramento “oficial” da marcha aconteceu no Auditório da Casa Árabe perto do parque do retiro. Os participantes puderam consultar no hall de entrada vários materiais oferecidos à equipe de base durante o mês de março, como uma mala com desenhos de jovens emigrantes que chegavam a Roma de diferentes países da África, atravessando o Mediterrâneo.

Após algumas palavras de agradecimento à Casa Árabe, Martina S. recebeu os presentes, alguns da Índia (Deepak V.), Colômbia (Cecilia U.), Chile (Lílian A.), França (Chaya M. e Denis M.) Itália (Alessandro C., Diego M. e Monica B.), Alemanha (Sandro C.), também incluindo virtualmente amigos que não podiam estar fisicamente devido a problemas de visto ou de saúde após a sessão via streaming . Rafael de la Rubia revisou primeiramente como esse segundo MM emergiu e suas nuances em relação ao primeiro e lembrou seus eixos temáticos.

Posteriormente, representantes dos países dos cinco continentes relataram os eventos mais importantes que ocorreram durante e ao redor da marcha. Tudo foi complementado com comentários, anedotas, projeções de imagens e inserção de mensagens de vídeo de vários países, resultando em uma gama multicolorida de atividades realizadas tanto por ativistas quanto por inúmeros grupos e instituições.

Por fim, foram mencionadas algumas das ações e projetos que, com diferentes graus de precisão, surgiram na jornada:

  • Geminação entre centros educacionais. Faculdades e universidades.
  • Edição de livros da Marcha: a) Livro ilustrado da editora Saure com blocos temáticos do MM; b) Livro do 2º MM, compilando o que foi feito ec) Jogo do ganso do MM
  • Declarações de interesse municipal ou cultural ao MM nos níveis municipal e regional.
  • campanha "Mediterrâneo, Mar da Paz" declarando cidades como Embaixadas da paz. Próxima ação no mar Adriático.
  • Senegal (Thiès): Fórum "África para a não violência"
  • Marcha latino-americana pela não-violência2021 em San José, Costa Rica, onde duas rotas convergirão do norte e do sul do continente.
  • Conferência "Mulheres empreendedoras " na Argentina (Tucumán)
  • campanha "Vamos ativar a paz ”No Nepal / Índia / Paquistão
  • Intervenção na Cimeira dos Prémios Nobel da Paz (Cúpula de Preços Nobel da Paz)na Coréia do Sul (Seul).
  • Participação na conferência sobre Desarmamento Nuclear de Bureau Internacional da Paz e possível reunião com Guterres, Secretário Geral da ONU nos EUA. (Nova York)
  • Proposta de festival para comemorar a ratificação do TPAN no Japão (Hiroshima).
  • Observatórios de Não Violência em Curitiba e Comitês Permanentes de Não Violência ... no Brasil.

O evento terminou com um aceno de cabeça para a situação ambiental, convidando todos a se sensibilizar e contaminar com o vírus da não-violência.

Domingo, 8 de março: Puerta del Sol, Km. 0 e símbolo humano

A partir das 11:00, ocorreu um estranho balé na Puerta del Sol em frente ao Km.0 chamando a atenção dos transeuntes. A equipa promotora de Madrid com mais alguns amigos, vindos na véspera de Bruxelas e Tânger, instalaram o equipamento musical e exibiram faixas enquanto o símbolo da não violência era desenhado no terreno. Um círculo foi criado em torno do qual os espectadores começaram a girar. Marian, de “Mulheres caminhando pela paz“, Chamou a atenção para a batida do tambor sobre o significado daquele acontecimento naquele dia e passou a palavra para Rafael de la Rubia: "… Após 159 dias, encerramos aqui esta 2ª Marcha Mundial pela Paz e Não-Violência.

Durante este tempo, o MM realizou atividades em 50 países e mais de 200 cidades e teve uma equipe de base, da qual estão presentes vários, com a qual o planeta foi contornado ... Esta marcha é inspirada nos pais da não violência que nos precederam, a quem homenageamos ao longo do caminho: M. Gandhi no Sevagram Ashram (Índia) e Silo no Parque Punta de Vacas (Argentina), entre outros… ”. Após agradecer aos participantes, convidou a todos a aderirem ao projeto do ¡¡¡3 de março !!! Daqui a 5 anos, em 2024.

Encarna S. pelo Associação de Mulheres Humanistas pela Não-Violência, fez um apelo a favor do papel das mulheres em um mundo não-violento.  “Esta é a hora em que as mulheres estão se levantando, donas da nossa essência e comprometidas com a vida. Declaramos que a vida está ameaçada, que a humanidade está ameaçada e nos comprometemos com sua proteção. A partir de hoje convidamos o compromisso com a proteção da vida, forjando laços, criando redes: redes de solidariedade, cuidado, redes humanas do feminino. Para que possamos recuperar o sentido de espécie, o registro de que todas as pessoas são uma "

Seguindo uma coreografia previamente prescrita, dois grupos entravam em fila sobre dois pólos e se moviam ao longo das linhas traçadas no chão até erigirem o símbolo da Não-violência. Ao sinal combinado, cartas brancas e roxas foram levantadas, significando como, a partir do centro roxo, as mulheres espalharam a não violência em branco. As imagens foram gravadas de cima para ter uma memória do evento. Depois de deixar o círculo, os participantes compartilharam a alegria com o resto do público.

Mais tarde, a marcha fechou formalmente após 148 mil km. circulando o planeta no mesmo Km.0 de onde partiu 159 dias atrás.

À tarde, as ativistas do 2º MM participaram da demonstração conjunta feminista da 8M.

Foram dois dias completos e intensos de risadas compartilhadas entre pessoas de diferentes países e culturas, prontas para continuar colaborando no futuro. Prova disso é que no dia seguinte já estava ocorrendo em reuniões informais para articular os projetos da Marcha latino-americana pela não-violência e a campanha Mar Mediterrâneo da Paz ...


Escrita:  Martine SICARD do mundo sem guerras e sem violência
Fotografias: Pepi e Juan-Carlos e, Deepak, Saida, Vanessa, ...
0/5 (Comentários 0)

Deixe um comentário